Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Este texto foi publicado no Diário de Notícias, no dia 26 de Setembro de 2021.

O Programa Editorial das Comemorações dos 600 anos do Descobrimento do Porto Santo e da Madeira permitiu recuperar publicações que há muito deixaram de ser vistas nas livrarias. Nesse âmbito, a obra "Camponeses da Madeira – As Bases Materiais do Quotidiano no Arquipélago (1750-1900)" de Jorge Freitas Branco, que tinha sido editada em 1987 pela Publicações Dom Quixote, vê novamente a luz do dia numa segunda edição de 2019 "corrigida e ampliada", desta vez levada a cabo pelo Serviço de Publicações da Direcção Regional da Cultura (DRC) através da Secretaria Regional do Turismo e Cultura e que contou com o empenho do então Responsável por aquele serviço, Dr. Marcelino de Castro, como é mencionado na "Nota prévia". Na tarde da passada segunda-feira, no Museu Quinta das Cruzes, aconteceu uma Tertúlia de apresentação deste livro, moderada pela Dr.ª Cláudia Faria, Chefe de Divisão de Publicações, o autor, Professor Doutor Jorge Freitas Branco, a Dr.ª Graça Alves, Directora de Serviços de Museus e Centros Culturais, o Dr. Paulo Ladeira da DRC e o signatário deste artigo, na presença do Secretário Regional do Turismo e Cultura, Dr. Eduardo Jesus e da Directora Regional da Cultura, Dr.ª Teresa Brazão. À pergunta lançada pela moderadora de «quem é este camponês, quem é este vilão», os participantes da tertúlia tiveram a oportunidade de dar perspectivas diversas do camponês de outrora e de agora. Nas linhas que se seguem, descrevo um pormenor assaz curioso contado pelo Professor Jorge Freitas Branco a propósito da fotografia da sua autoria que ilustra a capa desta edição e da primeira edição. Estava um dia de nevoeiro cerrado no sítio da Maloeira, freguesia da Fajã da Ovelha, concelho da Calheta, mas de repente, o nevoeiro levantou um pouco e na estrada, surge um homem com uma vaca e uma carreta e a mulher a transportar um molho de erva. O autor da fotografia e da obra não hesitou, parou o carro no pouco movimentado caminho e tirou aquele instantâneo que resume aquilo que se pode ler nas 324 páginas desta reedição.Camponeses_da_Madeira_2a_ed_capa_DR_blogue.jpg

(Direitos Reservados)

No "Prefácio (da 1.ª edição)", o Antropólogo Jorge Freitas Branco afirma que «o papel histórico desempenhado pelo campesinato insular é a especificidade deste trabalho, daí o acento posto no tratamento dos aspectos materiais que sustentam o seu quotidiano». O livro está dividido em 4 partes: "O Eixo da Organização do Quotidiano", "Instrumentos e Processos de Trabalho", "Aspectos das Relações Sociais na Produção Agrícola" e "Factores de Transformação duma Ruralidade". Nesta segunda edição consta pela primeira vez, uma adenda denominada "Apêndice: A Madeira como Experiência Antropológica". Este suplemento foi anteriormente publicado com o título "Entre a imagem e a realidade: reflexões sobre a Madeira como experiência antropológica", nas Actas do I Congresso Internacional da História da Madeira realizado em 1986, tendo o autor alterado o subtítulo e suprimido a transcrição do debate, dando o testemunho da metodologia usada para a elaboração deste trabalho. Jorge Freitas Branco dá conta da sua experiência de campo, mais concretamente entre Março de 1979 e Julho de 1980, onde registou apontamentos diários, normalmente ao fim do dia, considerados importantes para a sua reflexão pessoal e numa forma de compreender a realidade. Escolhe sobretudo a zona oeste da Madeira, também conhecida localmente como "Costa de Baixo", mais propriamente o concelho da Calheta, por estar supostamente distante da área de influência directa da cidade do Funchal e por ter um conjunto de produções agrícolas representativas da Ilha, como por exemplo a banana e a cana-de-açúcar, anotando aspectos dos amanhos agrícolas e outros como a construção de habitação própria ao fim-de-semana comum naquela época. A colaboração das "forças vivas" como os párocos, presidentes de juntas de freguesia e do município revelaram-se decisivas para a aceitação do investigador junto das populações rurais. As vendas, como as mercearias são designadas na Região, foram do mesmo modo essenciais para o contacto com os residentes e a compreensão do seu dia-a-dia. Reconhece diferenças entre os cultivos agrícolas no litoral e a serra, assim como o desenvolvimento socioeconómico dessas zonas, mais ricas e pobres, respectivamente. Os problemas de há 40 anos continuam actuais: o preço elevado e os aumentos frequentes dos fertilizantes, a falta de mão-de-obra para trabalhar ao dia e a emigração afectavam a actividade agrícola. Naquela altura, a pecuária e a criação de gado bovino para produção de leite era expressiva e um complemento significativo de rendimento para as famílias, mesmo que tivessem em média um animal por proprietário, utilizando-se o estrume dos animais para a fertilização dos terrenos. A propriedade e a posse da terra, o morgadio, o contrato de colonia, em geral, verbal, e o colono, são explicados de uma forma clara, com algumas referências cronológicas do período em estudo. Ao longo da obra, o Porto Santo é motivo de inúmeras informações sobre as culturas agrícolas com destaque para os cereais, a criação de gado, a escassez crónica de água, o avanço da areia sobre os terrenos cobrindo os cultivos e a obrigação régia de instalar-se vinhas para conter as areias trazidas pelos ventos na segunda metade do século XVIII, entre outras. O livro encontra-se à venda na loja de livros da DRC, à Rua dos Ferreiros, n.º 165, no Funchal, ou através do endereço electrónico https://loja.madeira.gov.pt/product/camponeses-da-madeira-as-bases-materiais-do-quotidiano-no-arquipelago-1750-1900/

Muito mais há para (re)descobrir nesta segunda edição, percebendo-se que a vida neste Arquipélago, para a maioria dos agricultores, nunca foi fácil, apesar da generosidade da Natureza, mas consoante os anos, também sentiam na pele a sua adversidade. Assim foi e assim ainda é!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:40


E vão 14 anos de Agricultando!

por Agricultando, em 09.09.21

A 9 de Setembro de 2007 nascia o "Agricultando", rubrica de opinião sobre Agricultura madeirense na então revista do Diário de Notícias da Madeira.

Captura de ecrã 2015-09-9, às 22.06.57.png

O "Pêro da Ponta do Pargo em festa" foi o primeiro artigo de um conjunto de 198 textos publicados até à presente data. São 71 textos da 1.ª série - 9.9.2007 a 13.6.2010, 72 textos da 2.ª série - 30.1.2011 a 29.1.2017 mais 55 textos da 3.ª série iniciada a 26.2.2017, e que se encontra em curso. A estes cento e noventa e oito escritos há que juntar mais dois artigos-resumo das 1.ª e 2.ª séries que foram publicados no Diário de Notícias da Madeira a 13.6.2010 e 29.1.2017, respectivamente. Chego assim às duas centenas de textos, número que nunca pensei atingir!

Dada a efemeridade dos jornais, compilaram-se os 71 textos da 1.ª série em livro a 21 de Março de 2011 com a respectiva versão inglesa, a 16 de Dezembro de 2013.

Passados 14 anos jamais pensaria estar ainda a escrever. O facto de sentir que o Agricultando é lido e acarinhado por muitos leitores do Diário de Notícias da Madeira, aqui no blogue e na página de facebook, dá-me alento para continuar, fazendo aquilo de que mais gosto: escrever sobre o que de bom a Madeira e o Porto Santo tiveram ou têm, na agricultura e na gastronomia.

Muito grato e reconhecido a quem me lê!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:03


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Setembro 2021

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!