Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





"Proteger as Plantas, Proteger a Vida"

por Agricultando, em 26.01.20

Este texto foi publicado no Diário de Notícias, no dia 26 de Janeiro de 2020.

Em Dezembro de 2018, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou 2020 como o Ano Internacional da Fitossanidade (AIF), tendo mandatado para a sua implementação a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) em colaboração com o Secretariado do International Plant Protection Convention (IPPC). Com a divisa "Proteger as Plantas, Proteger a Vida", este ano é uma oportunidade única para sensibilizar a opinião pública à escala mundial, que a fitossanidade pode ajudar a reduzir a fome e a pobreza, a proteger o meio ambiente e a impulsionar o desenvolvimento económico. Como é sabido, as plantas, além de fornecerem oxigénio e a maioria dos alimentos que precisamos para a nossa subsistência, na maioria das vezes, não lhes damos a devida atenção no que diz respeito à sua sanidade, o que leva a resultados devastadores. A FAO estima que anualmente até 40 por cento das culturas alimentares se perdem pelo ataque de pragas e doenças, deixando milhões de pessoas sem comida suficiente e com graves prejuízos na actividade agrícola, a principal fonte de rendimento das comunidades rurais pobres. No presente, a fitossanidade está sob ameaça crescente como consequência das alterações climáticas e das actividades humanas, que alteraram os ecossistemas, reduzindo a biodiversidade e criando nichos onde as pragas podem desenvolver-se. Na última década, a circulação de pessoas e mercadorias no mundo triplicou, proliferando pragas e doenças em toda a parte, e originando grandes perdas às plantas autóctones e ao meio ambiente. À semelhança da saúde humana, a protecção das plantas de pragas e doenças é de longe economicamente mais rentável do que lidar com situações de emergência. Muitas vezes, as pragas e doenças das plantas ao estabelecerem-se, são impossíveis de erradicar e o seu controlo é moroso e dispendioso. A prevenção é crucial para evitar o impacto arrasador das pragas e doenças na agricultura, nos meios de subsistência e na segurança alimentar.

O plano de acções do AIF passa por mobilizar governos, indústrias, organizações civis, cientistas e os cidadãos, para que se trabalhe em conjunto no sentido de proteger as plantas da disseminação de pragas destruidoras, encoraje a inovação científica dirigida a ameaças de novas pragas, promova práticas responsáveis que reduzam o seu alastramento e aumente o apoio dos sectores público e privado para estratégias e serviços com vista a uma maior fitossanidade sustentável. As políticas e actividades que fomentam a sanidade vegetal são fundamentais para que se atinjam os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável defendidos pelas Nações Unidas, em particular, e como foi atrás mencionado, aqueles que apontam para a eliminação da fome e da má nutrição, para a redução da pobreza e as ameaças ao meio ambiente. Quando se viaja há que ter cuidados no transporte de plantas ou seus derivados que devem cumprir com os requisitos fitossanitários, seguindo o mesmo comportamento quando se encomenda plantas ou seus derivados pela internet ou através de serviços postais, que facilmente contornam os habituais controlos fitossanitários. Para que o comércio de plantas seja seguro, é essencial que se ponham em prática os padrões e normas de sanidade vegetal preconizados pelo IPPC e pela FAO. Este procedimento reduz o impacto negativo das pragas e dos pesticidas de uso agrícola na saúde humana, na economia e no meio ambiente, tornando-se assim mais fácil prevenir e controlar a disseminação de pragas e doenças sem haver necessidade de criar barreiras ao comércio. No combate às pragas e doenças, os agricultores e os decisores políticos devem adoptar e encorajar, respectivamente, o uso de métodos "amigos do ambiente" como a protecção integrada. Os governos, os legisladores e os governantes deviam fortalecer os organismos de protecção de plantas e outras instituições relevantes, e proporcionar-lhes recursos humanos e financeiros apropriados, assim como apostar num maior investimento na investigação e em práticas e tecnologias inovadoras. Os governantes e os governos devem garantir que as suas decisões se baseiam em dados concretos. A monitorização regular das plantas e a informação atempada através de avisos agrícolas sobre ameaças emergentes ajudam os governos, os funcionários dos serviços e os produtores a tomar medidas preventivas e adaptativas para que as plantas se mantenham sãs.

Assim, importa prevenir as pragas e doenças das plantas e enfrentá-las numa perspectiva "amiga do ambiente" como a já referida protecção integrada. Esta abordagem ao ecossistema combina as diferentes estratégias e práticas para desenvolver culturas agrícolas sadias enquanto se minimiza o uso de pesticidas. Ao evitarmos as substâncias tóxicas quando lidamos com as pragas, não só protegemos o meio ambiente, como também os insectos polinizadores, os inimigos naturais das pragas, os organismos benéficos e as pessoas e animais que dependem das plantas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:41


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Janeiro 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!