Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





O uso da giesta e da carqueja na Agricultura

por Agricultando, em 26.08.18

Este texto foi publicado no dia 26 de Agosto de 2018, no Diário de Notícias.

Em Abril, trouxe a esta página algumas notas sobre o boletim mensal "Frutas da Madeira", editado pelo Grémio dos Exportadores de Frutas e Produtos Hortícolas da Ilha da Madeira. Este periódico dedicado à agricultura madeirense surgiu em Abril de 1941 e perdurou pelo menos até Janeiro de 1958, tendo como fundador e primeiro director, o Engenheiro Agrónomo António Teixeira de Sousa, na altura Delegado Regional da Junta Nacional de Frutas. No número 4 de Julho de 1942 foi publicado um interessante artigo intitulado "Matos – Giesta e carqueja", baseado em dois folhetos de divulgação da autoria do Engenheiro Agrónomo Artur Castilho no âmbito da "Campanha de Produção Agrícola – Ministério da Economia", editados naquele ano. Em pleno Verão, julgo ser oportuno reavivar algo que o Agricultor madeirense poderá novamente fazer uso, com benefícios evidentes para a melhoria nutritiva e de estrutura do solo, e consequentes acréscimos das produções agrícolas. Recuando 76 anos, a Madeira em particular e Portugal em geral, apesar da neutralidade na II Guerra Mundial, sentiam também os efeitos económicos adversos resultantes daquele conflito. Havia, por isso, escassez de alimentos e de outros bens que vinham de fora, como os adubos azotados ou como são vulgarmente conhecidos, os "guanos". Ora, uma forma de compensar a ausência dos fertilizantes era proceder-se à incorporação de matos no terreno, em substituição do estrume, que seria o ideal para fornecer matéria orgânica, mas que não existiria em quantidade suficiente na Região. A giesta e a carqueja já eram abundantes nas serras madeirenses, e desempenhavam um papel importante na exploração agrícola. Eram usadas como "camas de gado", quando devidamente preparadas, sendo que o estrume entretanto obtido era aproveitado como fertilizante. Ao serem trituradas e sujeitas a fermentação pelos processos normais, davam origem ao estrume "artificial". Por outro lado, podiam ser empregues como adubo verde, depois de cortadas e enterradas no solo, com o intuito de prover matéria orgânica e assim melhorar as condições de fertilidade. Cabe aqui recordar que a giesta e a carqueja são plantas leguminosas, ou seja, a percentagem de azoto é elevada, pelo que o benefício que daí advém para os cultivos agrícolas, é significativo. Além destas, a feiteira era e é igualmente utilizada como adubo verde, com destaque para as plantações de rama de batata-doce. Para proporcionar a decomposição, nitrificação e aumentar o seu efeito como fertilizante, recomendava-se a adição de calcário moído em quantidades variáveis entre 30 quilos a 100 quilos por 100 metros quadrados, consoante a natureza físico-química do terreno, espalhando-o antes da cava ou polvilhando-o nos regos sobre o mato.

Estes matos quando estavam sobretudo na fase de rebentação eram indicados como pasto, podendo ser posteriormente preparados. No caso da carqueja, recorriam-se a moinhos especiais para a sua trituração, deixando-a em condições de ser fornecida aos animais, constituindo assim um excelente alimento. As giestas eram aproveitadas para a manufactura de vassouras e o seu mato servia para a queima nos fornos de pão. O artigo realçava que «das giestas e carquejas mais desenvolvidas, tiram-se varas para feijão». Como curiosidade, em algumas zonas altas, mormente do concelho da Calheta, a giesta até entrava numa rotação de culturas, ficando a terra ocupada com esta planta cerca de quatro anos, e no ano de corte era semeado o trigo. Aquela espécie e a carqueja, como leguminosas, são plantas melhoradoras, isto é, enriquecem o solo, dando ensejo a que as culturas que se seguem sejam mais produtivas. Ao contrário do que queremos no presente, o texto escrito há quase 80 anos defendia inclusive que a expansão daquelas plantas agrestes seria desejável, podendo assim ocupar uma grande parte das regiões altas (com menção ao Paul da Serra a 1.500 metros de altitude), que apresentavam então uma «relva raquítica», desde que a sua exploração fosse convenientemente ordenada, originando colheitas abundantes, com benefício geral da economia agrícola. No planeamento de um povoamento florestal, a influência destes matos era notável, quer na conservação dos solos e respectivo melhoramento, quer como abrigos para as plantações novas. Aludia-se do mesmo modo ao aspecto paisagístico, pois em áreas incultas, aquele manto verde que na época da floração transformava-se em belíssimas manchas amarelas, não só era agradável à vista, como ainda servia de pasto farto para as abelhas. Aconselhava-se, por essa razão, que nas margens das estradas serranas fossem plantadas giestas, tirando proveito das variedades mais convenientes como ornamento. Concluía-se de facto que «estes arbustos, revestindo o terreno, evitando ou atenuando a erosão, segurando as terras, impedindo o desnudamento das rochas, facilitando a infiltração das águas e influindo beneficamente no clima, promovem uma acção muito importante, que só por si justificaria o cuidado e atenção que lhe devem ser dispensadas».

Nos dias de hoje, a giesta, a carqueja e a feiteira são plantas invasoras. Saibamos tirar partido das mesmas, voltando a disponibilizá-las de uma forma regulada ao Agricultor em prol da nossa Agricultura. E sempre numa perspectiva de desenvolvimento equilibrado, resolvendo-se a breve trecho duas situações prementes: o excesso de mato nas montanhas e a falta de matéria orgânica nas explorações agrícolas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:48


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Agosto 2018

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!