Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Distinguir e dar valor ao que é nosso

por Agricultando, em 28.12.14

Este texto foi publicado no dia 28 de Dezembro de 2014, na revista "Mais" do Diário de Notícias.

A freguesia do Jardim da Serra, concelho de Câmara de Lobos, é sobejamente conhecida como a terra da cereja e ninguém fica indiferente ao colorido das cerejeiras em flor, em Março e Abril e com os frutos maduros, em Maio e Junho. Mas esta localidade serrana tem outros produtos agrícolas, dos quais aqui se destaca o "Pêro Domingos". No dia 21 de Novembro, a Junta de Freguesia do Jardim da Serra e o CDISA – Quinta Leonor (nomeadamente o seu mentor, Prof. Manuel "Neto") em parceria com a Unidade de Investigação ISOPlexis/Universidade da Madeira, a Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DRADR), o Município de Câmara de Lobos e a Casa do Povo local, levaram a cabo no Hotel Quinta da Serra a iniciativa "Diferenciar e Valorizar a Sidra Regional". Do programa, constou uma apresentação do estágio em contexto de trabalho do Técnico em Agricultura Biológica (Curso de Especialização Tecnológica), Lino Pinto, sobre a "Produção de Sidra de Pêro Domingos". Neste estágio que contou com o apoio técnico da Engenheira Regina Pereira da DRADR, pretendeu-se incentivar o aproveitamento desta variedade regional de maçã, valorizando-a através da transformação em sidra. Se o "Pêro Domingos" em fresco é apetecível, de textura rija e suculenta, aroma equilibrado entre o doce e a sua acidez, com conservação à temperatura ambiente após a colheita até seis meses, quando usado para a produção de sidra, ainda o é mais. Para obter-se uma boa sidra, é preciso contar com frutos sãos e limpos, ter os materiais e equipamentos em boas condições de higiene e desinfecção, que não contenham ferro, pois origina a oxidação e confere um sabor a metal no mosto. Ao contrário do método tradicional, não se adiciona açúcar no início da fermentação, para assegurar a estabilidade da sidra. O engarrafamento ocorreu em meados de Maio, seis meses depois da maceração dos pêros, tendo-se tido o cuidado de escolher a garrafa e o rótulo (elaborado pelo Município de Câmara de Lobos) adequados para uma boa apresentação do produto final. A sidra é uma bebida refrescante de baixo teor alcoólico, com história e tradição em várias freguesias da Madeira como o Santo da Serra, São Roque do Faial, Ponta do Pargo, Prazeres e o Jardim da Serra. Além disso, os turistas ingleses, alemães, franceses e espanhóis apreciam e reconhecem esta bebida, pelo que quererão experimentar a sidra madeirense, única em Portugal. Em suma, apesar de a sidra ser conhecida há muito tempo entre nós, há que explorá-la em moldes modernos, com métodos de produção respeitadores das regras de higiene e segurança alimentar, com uma garrafa e rótulo apelativos, que vão ao encontro do consumidor local e do visitante. Na prova comentada pelo Escanção Américo Pereira e pelo Engenheiro Francisco Albuquerque, estes foram unânimes em considerar a sidra ‘Pêro Domingos’, uma boa bebida, fresca e com um aroma uniforme em todos os bordos do copo. De seguida, houve provas de sidra engarrafada e de um ‘ice tea’ de sidra com frutos vermelhos para os participantes.

Como segunda parte deste evento realizou-se um jantar temático no âmbito do projecto "Do Poio ao Prato: Inovação com Tradição" promovido pelo ISOPlexis/Universidade da Madeira e com o apoio do Hotel Quinta da Serra (telefone: 291640120, com página no facebook). A ementa preparada pelo Chefe de Cozinha Yves Gautier teve como ingredientes principais, o "Pêro Domingos" em polpa e em sidra e a batata doce variedade "Japonesa Preta". Como entrada, uma sopa de maçã e cebola com sidra de "Pêro Domingos", onde o doce do fruto e a acidez do bolbo se combinavam harmoniosamente. No prato principal, bochechas de porco preto com bagaço de maçã e batata doce frita, com uma carne cozida lentamente e de textura macia e suculenta. Como sobremesa, uma gulosa tarte "tatin" (de origem francesa) de maçã com gelado de batata doce, fechou da melhor maneira este jantar, onde a mensagem, da importância do uso dos produtos agrícolas locais na gastronomia madeirense tradicional e contemporânea, ficou bem patente nos convivas que participaram nesta actividade de promoção da sidra de "Pêro Domingos" e da terra que a acolheu, o Jardim da Serra!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:41



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Dezembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!