Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Das cinzas ao reverdecer

por Agricultando, em 28.08.16

Este texto foi publicado no dia 28 de Agosto de 2016, na revista "Mais" do Diário de Notícias.

Neste "Agricultando", é impossível não escrever sobre os trágicos incêndios que ocorreram essencialmente entre os dias 8 e 10 nos concelhos do Funchal, Calheta e Ponta do Sol. No início, a queimar áreas florestais e depois casas no centro do Funchal. É certo que as condições climatéricas foram propícias ao propagar do fogo, mas o desleixo de muitos anos seguidos aumentou o infortúnio de muitas famílias, já que terrenos contíguos às casas apresentavam muito mato, alimentando assim a força do lume. Numa primeira estimativa de áreas queimadas calcula-se que oito por cento da Madeira ardeu, sendo que no Funchal 22 por cento da sua superfície foi devastada pelas chamas. Naquilo que me é mais próximo em termos profissionais, a agricultura, também não foi poupada, com casos de perdas totais. Porém, é notório que muitos terrenos outrora agricultados, ao serem abandonados por motivos de envelhecimento dos proprietários, emigração, partilha de bens, entre outros, são autênticos barris de pólvora, pois neles instalam-se espécies como a acácia, a canavieira, o silvado e demais arbustos e ervas infestantes que por falta de limpeza atingem alturas proibitivas, sendo "alvos" fáceis para a disseminação de incêndios. Já um terreno cultivado e cuidado, onde são realizadas mondas periódicas das ervas daninhas e eliminação de outras espécies invasoras, o risco de incêndio é consideravelmente menor. Por outras palavras, é de ordenamento agrícola que aqui se fala.

Ao longo destes dias, tem sido realçado por diversas entidades e personalidades de diversas áreas do conhecimento, que a prevenção é a melhor arma para nos precavermos no futuro de eventuais episódios conforme os deste mês, e que têm acontecido com maior frequência nos últimos tempos, à semelhança dos anos de 2010, 2012 e 2013. E que prevenção tem de ser feita de imediato? Desde o repovoamento florestal com espécies mais resistentes ao fogo como o de algumas endémicas (til, vinhático, loureiro, barbusano), o castanheiro, a nogueira que levam muitos anos a crescer, mas que há que (re)começar o quanto antes, pois quanto mais tarde, pior para os de agora e para os que hão de vir. O incentivo de terrenos não cultivados ao arrendamento agrícola, com benefícios fiscais para os proprietários que os disponibilizassem e comparticipação total do pagamento da renda por parte do Governo Regional nos primeiros dois a cinco anos, no caso de serem instaladas hortícolas ou frutícolas e vinha a título de período de carência, respectivamente. Com a garantia de que as terras seriam sempre dos legítimos donos, pois entre nós reina a desconfiança que alugar explorações agrícolas é "meio caminho andado" para perder-se a titularidade. Por último, outra maneira ao alcance de todos e que pode ser feita já, enquanto consumidores, é que ao comprarmos hortofrutícolas locais estamos a aumentar a área agrícola e a diminuir substancialmente os baldios, e consequentemente o risco de incêndio no Verão e de derrocada no Inverno, pois os poios [regionalismo para socalcos] cultivados serão em todo o tempo devidamente ordenados e cuidados, com vantagens para os que cá vivem e para os que nos visitam!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:37



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Agosto 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!