Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Este texto foi publicado no dia 25 de Junho de 2017, no Diário de Notícias.

A "Série Retrospectiva das Estatísticas da Agricultura e Pesca da Região Autónoma da Madeira (1976-2016)" da Direcção Regional de Estatística da Madeira foi disponibilizada na passada segunda-feira na página de internet daquele organismo público. Lá estão dados sobre as áreas e produções das principais culturas e a sua evolução nos últimos 41 anos. Neste "Agricultando" e sem querer ser exaustivo, deixando propositadamente de fora números e percentagens, constata-se que entre 2015 e 2016, nos cultivos temporários, houve aumento de produção de alface, cana-de-açúcar e feijão-verde. Na semilha [regionalismo para batata], batata doce, cebola, cenoura, milho para maçaroca e tomate registaram-se diminuições das quantidades produzidas, mantendo-se os quantitativos do inhame e do nabo. No que se refere às culturas permanentes e para o mesmo período dos dois anos mais recentes, apenas a banana teve evolução positiva, sendo que as produções de abacate, anona, castanha, cereja, limão, pêro para sidra e uva baixaram, com a maçã a atingir igual valor. As causas para o melhor ou pior desempenho anual das culturas agrícolas locais devem-se a vários factores. As condições climatéricas, a incidência de pragas e doenças, o preço pago ao produtor, a importação massiva de produtos homólogos (alguns até de qualidade inferior) a preços de venda inferiores aos de origem regional, entre outros, condicionam as áreas e produções agrícolas.

Num território pequeno como é o nosso e tendo em conta que o turismo origina o aumento de uma população "flutuante" anual na ordem das centenas de milhares, com a obtenção sucessiva de recordes de turistas e de receitas nos últimos tempos, seria oportuno saber até que ponto é que os visitantes podem ajudar para que haja aumentos das áreas e produções agrícolas, consequente consumo e o respectivo escoamento comercial. Já aqui o disse noutras ocasiões que a paisagem agrícola madeirense única e bela só existe se houver procura pelos nossos produtos. E o sector da hotelaria e restauração que tanto beneficia dessa paisagem cultural, deveria retribuir, adquirindo os hortofrutícolas de proveniência local e orgulhando-se junto do seu hóspede ou cliente, que a refeição que está a desfrutar resulta maioritariamente de produtos da Região. Os hotéis e restaurantes que têm a preocupação diária de comprar os produtos da terra regionais deveriam ser distinguidos e devidamente identificados, um pouco à semelhança daquilo que se faz na área ambiental e que é promovido pelo Governo Regional. Porque a agricultura contribui para o bom ambiente que o forasteiro procura, quer com os olhos, quer com a barriga.

Para que tal desiderato se concretizasse, a criação de um distintivo turístico de qualidade agrícola que poderia ter a designação de "Estabelecimento Amigo da Agricultura madeirense" assente numa portaria conjunta entre a Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura e a Secretaria Regional de Agricultura e Pescas, que avaliasse as vertentes agrícola e social, a gestão dos produtos agrícolas e derivados ao longo do ano, os serviços e a formação, seria desejável. Não tenho dúvidas que a médio e longo prazos, criar-se-ia mais riqueza na agricultura e a quem nela trabalha, fixando populações no meio rural, elevando a oferta gastronómica da hotelaria e restauração, para satisfação do turista!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:34



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Junho 2017

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!