Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Castanha como a cor do Outono

por Agricultando, em 24.11.13

Este texto foi publicado no dia 24 de Novembro de 2013, na revista "Mais" do Diário de Notícias.

No Outono, o fruto com mais significado desta estação é a castanha. A sua cor, aroma e sabor definem bem esta época do ano, em que os dias ficam mais curtos e as temperaturas descem um pouco. Na Região, a freguesia do Curral das Freiras, concelho de Câmara de Lobos é a mais emblemática desta cultura, mas há também soutos nos concelhos da Ribeira Brava (freguesias da Serra d’ Água e Campanário), Funchal (freguesias das zonas altas) e São Vicente. O castanheiro além de produzir saborosos frutos e madeira de grande qualidade, por adaptar-se bem a zonas de montanha, promove a conservação do solo em terrenos de grande declive, evita a erosão dos solos e embeleza a paisagem madeirense. Recentemente, celebrou-se no Curral das Freiras mais uma Festa da Castanha, que é o certame mais antigo de Portugal dedicado a este fruto e que ali se realiza há 30 edições, tantas quantas as vezes do segundo evento mais antigo e que ocorre em Marvão (norte alentejano), a Festa do Castanheiro/Feira da Castanha. Entre os dois acontecimentos existe uma semana e meia de diferença, pois a primeira tem lugar no dia 1 de Novembro (excepcionalmente este ano decorreu nos dias 2 e 3 deste mês), enquanto que a segunda acontece pelo São Martinho. Esta curiosidade, ainda desconhecida entre nós, soube-a por um livro do transmontano Dr. Jorge Lage, "Castanea – uma dádiva dos deuses" de 2005 (com 2.ª edição em 2006) e que em Junho editou a sua terceira publicação alusiva à castanha, "Memórias da Maria Castanha".

 Direitos Reservados

Ao longo de nove capítulos e de mais de 300 páginas, o Dr. Jorge Lage faz um levantamento completo nesta obra, do vocabulário, das variedades de castanha, expressões, provérbios, receitas tradicionais e outros saberes etnográficos do castanheiro em Portugal. Fica-se a saber que esta cultura existe no nosso país há cerca de 8.000 anos e é considerada como a "árvore da vida" já que em tempos de escassez e de fome, a castanha era o único alimento que as populações tinham à sua disposição. A partir deste fruto obtêm-se derivados como o açúcar de castanha, café de castanha, cervejas, chocolate de castanha, iogurte, pasta de castanha para bolos, puré de castanha, rebuçados, entre outros. Porém, o livro tem muitas mais curiosidades para descobrir. A associação da castanha ao São Martinho e à prova do vinho novo, torna-a "esposa" ideal do vinho tinto. A Ilha dos Castanheiros é a Córsega e o país europeu que produz e consome mais este fruto, é a Itália. A castanha era tão importante que se usava como moeda de troca por louça, no Redondo, Idanha-a-Nova, Serra da Estrela (Seia) e Vila Pouca de Aguiar. Provérbios como “Agosto seco, castanhas no cesto, Agosto molhado, cestos empilhados” demonstram o "saber de experiência feito" que o calor ou a chuva naquele mês, fazem um bom ou mau ano de produção, respectivamente. A expressão “nos tempos da Maria Castanha” é ainda empregue no presente em alguns lugares, para relatar tempos muito antigos e neste trabalho conta-se uma lenda sobre esta mulher que viveu na Galiza no século XIV. A tradição de fazer colares de castanhas, quer frescas, quer piladas (secas e descascadas) pela Festa da Castanha, no Curral das Freiras. No que respeita à alimentação, referem-se diversos pratos de castanha de várias partes de Portugal, como as castanhas assadas com sardinha e a sopa de castanha do Curral, de sabor adocicado muito agradável, que outrora era preparada ao longo dos meses de Inverno e que nos dias de hoje, é confeccionada em especial na Festa da Castanha. Quanto às variedades de castanha (onde se incluem variedades madeirenses), contabilizaram-se cerca de 200 distribuídas por todo o país, sendo que 50 municípios do Continente, dos Açores e da Madeira são representativos deste fruto. Sobre a toponímia do castanheiro, constam mais de 800 topónimos em Portugal derivados dos vocábulos "Castanea" e "souto", o que mostra a relevância que esta fruteira teve em tempos remotos. Estes e muitos outros saberes, podem ser encontrados na obra "Memórias da Maria Castanha", uma edição de autor que merece a sua atenção (para encomendar, deverá contactar a Livraria Minho de Braga pelo telefone, 253271152 ou por email, lminho@livrariaminho.pt).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!