Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Notas sobre o viver madeirense de outrora

por Agricultando, em 30.10.16

Este texto foi publicado no dia 30 de Outubro de 2016, no Diário de Notícias. Ao contrário do que sucedia antes, o Agricultando surge agora incluído na edição de domingo do DN, já que desde 16 de Outubro a revista Mais deixou de existir.

Lançado no dia 22 de Setembro no auditório da Casa-Museu Frederico de Freitas, no Funchal, "Apontamentos de Etnografia Madeirense (São Jorge e Norte da Ilha)" de António Marques da Silva resulta de uma compilação de textos que foram publicados primeiramente no Mensário das Casas do Povo e do Jornal da Madeira entre 1950 e 1963, e que agora foram reeditados pelo Serviço de Publicações da Direcção Regional da Cultura da Secretaria Regional de Economia, Turismo e Cultura. O autor apesar de ter nascido em Benquerença (Beira Baixa), em 1900, cresceu em Vila de Sarzedas pertencente ao concelho de Castelo Branco, tendo frequentado o Liceu albicastrense onde concluiu o Curso da Escola Normal com 17 valores. Iniciou a sua carreira na Escola Central de Castelo Branco e depois para ficar como efectivo, concorreu para a Madeira, tendo sido colocado em São Jorge, onde leccionou o ensino primário entre 1921 e 1933. As 174 páginas desta obra incluída na colecção "Cadernos Madeirenses" percorrem as vivências e expressões populares, os usos e costumes, a arquitectura das casas rurais, as indústrias caseiras como o bordado e a obra de verga (vime), a agricultura e os seus principais produtos utilizados para o sustento e até os comportamentos principalmente da população da freguesia de São Jorge nas décadas de 20 e 30 do século passado. Estes apontamentos com ilustrações e fotografias dos filhos Jorge Marques da Silva e António Ribeiro Marques da Silva, respectivamente, bem como do acervo da Photographia Museu "Vicentes" revelam o que era a vida no campo há quase cem anos, neles podendo entender-se o quão difícil eram aqueles dias de "luta heróica" como António Marques da Silva chega a intitular num dos seus escritos.

Ao folhearmos o livro, verificamos que o autor descreve a paisagem madeirense de uma forma realista ao dizer que “(...) nem sempre [se] vê o que fica por trás da nota de frescura e beleza que [se] saboreia: o trabalho do agricultor, penoso e aturado, como o dos escravos, nos tempos longínquos da colonização”. Sobre os poios [regionalismo para socalcos] acrescenta que “(...) Só quem conhece a topografia da ilha pode fazer uma ideia exacta do perigo a que está exposto este incansável lutador, apropriando para a cultura escarpas vertiginosas onde finca os referidos poios, sobranceiros, muitas vezes, a alcantis que metem pavor”, fazendo lembrar as também sábias palavras de Joaquim Vieira Natividade na obra "Madeira – A Epopeia Rural" de 1953. No VI capítulo, "Mesa de Pobres", mencionam-se os produtos agrícolas que todos consumiam. São o caso do milho, a semilha [regionalismo para batata] e a batata (doce), o pão (amassado na "Festa" [regionalismo para Natal] e noutras festas religiosas ou familiares), o inhame e a norça. Se bem que a alimentação das gentes rurais de outrora fosse limitada, havia momentos em que se tinha mais variedade. A apanha de lapas e caramujos, a matança do porco pelo Natal, a "sopa de panela" com couve cozida com gordura ou nacos de toucinho, derramando-se de seguida em cima de uma pratada com pão, as sopas de tomate e cebola, de abóbora, de "boganga" [regionalismo para chila], de castanha, a açorda madeirense, a espetada acompanhada de vinho seco. E porque as "gulodices" têm sempre lugar em dias de festejo, alude-se aos bolos de família ou preto, de "Sabóia" amarelo e fofo como o pão-de-ló, as broas e as rosquilhas, o bolo de mel que combinam bem com um copo de vinho, de licor ou de Madeira. Numa frase, não obstante a escassez de alimentos ao longo do ano, existiam épocas festivas que por mais que a mesa fosse humilde, transformava-se em algo mais substancial e mais apetecível.

Os "Apontamentos de Etnografia Madeirense (São Jorge e Norte da Ilha)" terminam com um artigo "Prelúdios do Natal" por ser a festividade “(...) que mais sensibiliza a alma religiosa do madeirense (...)”, e que por estar a aproximar-se, quem deste "Agricultando" se recordar, poderá ser uma excelente sugestão para um presente!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:59


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Outubro 2016

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!