Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Este texto foi publicado no dia 24 de Abril de 2016, na revista "Mais" do Diário de Notícias.

A Portaria número 6/2009 de 26 de Janeiro da então Secretaria Regional do Turismo e Transportes criou um distintivo turístico de qualidade ambiental designado "Estabelecimento Amigo do Ambiente". A partir daquele ano e em traços gerais, pretende-se promover a qualificação ambiental da oferta turística, reconhecer e fomentar as boas práticas ambientais das empresas do sector turístico da Região, nomeadamente hotéis, restaurantes, empresas de animação turística e agências de viagens. Com o intuito de distinguir o melhor dos melhores, instituiu-se três tipos de distintivos: "Amigo do Ambiente – Excelência", "Aliado do Ambiente – Ouro" e "Atitude Ambiental – Prata". As candidaturas apresentadas em formato de questionário são avaliadas por parâmetros como a integração nas vertentes natural e social, os recursos energéticos e hídricos, a gestão ambiental e inovação, os serviços (que contemplam a questão dos hortofrutícolas locais e seus derivados convencionais e biológicos, mas de uma forma sumária) e a formação, que depois de aprovadas em função da percentagem de respostas positivas por uma Comissão de Avaliação, os referidos distintivos são atribuídos pelo Secretário Regional da tutela (actual Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura – SRETC) e têm uma validade de quatro anos. Ora, é opinião unânime da importância que a Agricultura madeirense tem no sector do turismo, mormente na paisagem insular e na hotelaria e restauração, pois a nossa gastronomia só será digna desse epíteto, se nela estiverem os produtos agrícolas e derivados locais. Adaptando o que já existe na área do ambiente, uma maneira de promover, reconhecer e fomentar a utilização dos produtos agrícolas e seus derivados nos hotéis e restaurantes, seria a elaboração de uma portaria conjunta entre a SRETC e a Secretaria Regional de Agricultura e Pescas que criasse um distintivo turístico de qualidade agrícola que se poderia eventualmente chamar de "Estabelecimento Amigo da Agricultura Madeirense". Para premiar aqueles que fazem questão de apostar no que é de cá, haveria três insígnias: "Amigo da Agricultura Madeirense – Excelência", "Aliado da Agricultura Madeirense – Ouro" e "Defensor da Agricultura Madeirense – Prata". Os parâmetros de avaliação poderiam ser a integração nas vertentes agrícola e social, a gestão dos produtos agrícolas e derivados ao longo do ano, os serviços e a formação, com metodologia semelhante de classificação da Portaria de 2009 ajustada à componente agrícola. Eis pois, um contributo para dinamizar a médio e longo prazos a produção agrícola regional, criando riqueza e fixando populações nas zonas rurais, melhorando a oferta gastronómica da hotelaria e restauração, tornando-a mais autêntica!

O Restaurante Vila do Peixe (telefone: 291099909; com página no facebook) situado na Rua Dr. João Abel de Freitas, freguesia e concelho de Câmara de Lobos, abriu em Novembro de 2005, sendo o seu proprietário, Alberto Silva. O nome desta casa faz questão de recordar que Câmara de Lobos apesar de ser cidade há alguns anos, ainda hoje é conhecida como Vila e ficou por isso, Vila do Peixe, ou não fosse uma das mais emblemáticas localidades piscatórias da Madeira. Ao entrar neste restaurante, o seu olhar irá deslumbrar-se com a magnífica vista da Baía e do Ilhéu de Câmara de Lobos. E nada melhor do que começar com as "entradinhas do dia" que, como o nome indica, variam diariamente desde o atum de escabeche, às miudezas de peixe, às favas, ao feijão, à pasta caseira de marisco, entre outras. Nos pratos principais, o peixe fresco do dia com 15 variedades para escolher, pode ser grelhado ou frito e acompanhado por batata cozida com orégãos e segurelha, batata frita com orégãos e alho, milho frito, batata doce com mel de cana, arroz de pimentos, arroz de segurelha e as bem temperadas saladas. Nas sobremesas, as mousses de maracujá e de pitanga são opções refrescantes que vão fechar o repasto em grande.

A semilha [regionalismo para batata], a batata doce, a couve, os brócolos, a pepinela, a abóbora tenra, o feijão, a alface, o tomate, a cebola, o pepino, o maracujá, a pitanga, assim como a maioria do peixe ali servido são de origem regional, pois a frescura e qualidade inerentes tornam os pratos deste Restaurante uma combinação perfeita para a vista que dali se admira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:54


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Abril 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!