Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Semana Bio Madeira 2009

por Agricultando, em 29.11.09

Este texto foi publicado no dia 29 de Novembro de 2009, na revista "Mais" do Diário de Notícias. De segunda-feira passada até hoje, decorreu a terceira Semana Bio Madeira sob o lema "Cultivar Sustentabilidade", com inúmeras actividades dirigidas ao consumidor, sensibilizando-o para as vantagens do consumo de produtos agrícolas regionais obtidos pelo modo de produção biológico. No presente, a agricultura biológica ocupa cinco por cento da área agrícola total da Madeira. Esta iniciativa organizada pela Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais, através da Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DRADR), teve a sua "sede", no Largo da Restauração, no Funchal. Durante os dias úteis, foi possível comprar ali hortofrutícolas biológicos madeirenses comercializados pelos produtores, derivados agro-alimentares, cosméticos e produtos medicinais naturais. Houve também lançamentos de livros, entre outras acções levadas a cabo por diversas empresas e instituições participantes, com interesses económicos, sociais e científicos neste tipo de agricultura. Com o intuito de descentralizar esta semana temática, aconteceram noutros locais do Funchal, Câmara de Lobos, Ponta do Sol, Calheta, São Vicente, Santana e Porto Santo, actividades paralelas como palestras, projecções de filmes e dias abertos em centros experimentais agrícolas. Na sequência de um protocolo de colaboração entre a empresa FN-Hotelaria, a DRADR e um grupo de Chefes de Cozinha de hotéis de cinco e quatro estrelas da Região, tiveram lugar na Semana Bio Madeira 2009, um conjunto de demonstrações gastronómicas, onde os produtos agrícolas e pecuários biológicos regionais foram os ingredientes de eleição das iguarias preparadas. Além das explicações ao vivo destas receitas pelos seus autores, o público era convidado a degustá-las e a experimentá-las futuramente em casa, pois no suceder dessas demonstrações, distribuíam-se folhetos com as respectivas receitas. A propósito, refira-se que ao longo deste ano, no calendário de eventos agrícolas como as Exposições Regionais da Anona e do Limão, a Feira da Cana-de-Açúcar, as Festas da Cebola, Cereja, Pêro e Castanha, a Feira do Gado e a Mostra Regional da Banana, realizaram-se actividades gastronómicas semelhantes àquelas que ocorreram agora, com grande adesão dos residentes e turistas. Um aspecto digno de referência no decurso desta semana, foi a participação de alunos de escolas de diferentes níveis de ensino, desde o pré-escolar até ao secundário, quer como assistentes, quer como protagonistas em momentos musicais e de teatro, onde a importância do consumo de hortícolas e frutícolas regionais e o bem que representam para a saúde, foi relevada. Numa época em que a obesidade é uma preocupação constante da sociedade moderna, é importante alertar os jovens e menos jovens, para a mais-valia de se comer vegetais e frutas para o seu crescimento e bem-estar, respectivamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

A Agricultura e a Gastronomia regionais

por Agricultando, em 15.11.09

Este texto foi publicado no dia 15 de Novembro de 2009, na revista "Mais" do Diário de Notícias. Habitualmente, o "Agricultando" aborda produtos ou zonas agrícolas peculiares da Madeira e do Porto Santo, mas o de hoje, debruça-se sobre a nossa Agricultura e Gastronomia. É reconhecido por todos que uma verdura ou fruta frescas, contribuem em grande parte para o sucesso da confecção de um prato. Essa frescura só é plenamente conseguida com as hortofrutícolas de cultivo local. Além disso, graças aos mil e um climas que a Região possui, permite-nos ter ao longo do ano produtos agrícolas de clima tropical, subtropical e temperado. Muitas vezes, nós consumidores, escolhemos o que vem de fora (leia-se importados), devido ao seu preço e aparência. Porém, também é frequente acontecer que muitas dessas hortícolas e frutícolas vão para o lixo, porque encontramos no seu interior podridões e danos causados pelo choque térmico, provocados por sucessivas entradas e saídas das câmaras frigoríficas desde o local de produção longínquo até à nossa mesa. Por isso, é importante sublinhar que, ao preferirmos os produtos agrícolas madeirenses, temos a garantia da sua frescura e qualidade insuperáveis a preços justos. Comprá-los, é preservar o património agrícola regional genético (as nossas variedades) e edificado (os poios, os palheiros, as levadas), bem como fixar as populações rurais com qualidade de vida. Nos últimos tempos, surgiu o conceito de soberania alimentar, que tem sido tema de conferências e debates. O Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares (OMAIAA) realizou em 10 de Julho deste ano, no auditório da Ordem dos Engenheiros, em Lisboa, um seminário subordinado à "Qualidade, Segurança e Soberania Alimentar versus Défice da Balança de Pagamentos no Sector Agro-Alimentar". Na publicação que resume esse evento (disponível em http://www.observatorioagricola.pt/rubricas/ATT00317.pdf), define-se soberania alimentar como “o direito de cada país ou região de definir e aplicar as suas políticas agrícolas e alimentares, de decidir o que cultivar, o que comer e como comercializar, de produzir localmente, respeitando o território, e poder controlar os recursos naturais, como a água, as sementes e a terra”. Hoje, sabe-se que Portugal importa cerca de 75 por cento dos alimentos que come. A Região, também está dependente do exterior, pelo que, caro leitor, é crucial dar primazia aos produtos agrícolas locais de que necessita, pois assim estará a contribuir para a nossa autonomia alimentar. É indiscutível que os nossos produtos agrícolas que compõem o mosaico de cores em conjunto com os poios, constituem a inimitável paisagem rural madeirense, que é fotografada e filmada diariamente por milhares de turistas. O Turismo (restauração e hotelaria) deve apostar cada vez mais na sinergia Agricultura/Gastronomia regionais, visto que ambos os sectores são complementares e fazem a diferença junto do visitante. A nossa gastronomia diversa e genuína, só pode ser assegurada com os produtos da terra, pois apenas estes conferem o aroma e o sabor inigualáveis dos pratos típicos da Região. Em suma, é urgente comprar o que é nosso!    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:34

A noz

por Agricultando, em 01.11.09

Este texto foi publicado no dia 1 de Novembro de 2009, na revista "Mais" do Diário de Notícias. Este fruto seco típico desta época do ano, não é nada mais nada menos do que uma semente. O "verdadeiro" fruto da nogueira é verde e não comestível. Quando está maduro no Outono, abre-se, deixando cair a semente chamada noz. Depois é submetida a uma secagem, com recurso a um tipo de "fumeiro", hábito antigo e enraizado entre nós, para que se obtenha as melhores características de paladar e textura, bem como uma boa conservação. A noz pode ser consumida em fresco ou transformada em bolo ou num reconfortante pudim. O nosso bolo de mel de cana tem na sua composição, este fruto inteiro no seu topo e triturado em bocadinhos no interior do mesmo. Hoje, dia de Todos-os-Santos, reza ainda a tradição do "Pão-por-Deus", em que as crianças com sacos de pano, andam de porta em porta pelas casas dos familiares e vizinhos, a pedir guloseimas e frutos secos (nozes incluídas). Noutras paragens, para além de ser uma árvore produtora de frutos, é igualmente aproveitada para a indústria madeireira, com aplicação no fabrico de móveis duradouros e de elevada qualidade. Na Madeira, esta espécie de crescimento lento tem as melhores condições de cultivo entre os 400 e os 1000 metros de altitude, encontrando-se distribuída um pouco por toda a parte. Os pés dispersos são predominantes em relação aos poucos pomares aqui existentes. Segundo o "Recenseamento Geral de Agricultura" de 1999, os concelhos mais representativos desta cultura são a Ribeira Brava (freguesia da Serra d’ Água), Funchal, Câmara de Lobos (Curral das Freiras), Ponta do Sol e São Vicente. Na Região, as variedades de noz mais apreciadas são as regionais do Curral e as introduzidas americanas "Hartley" e "Pedro", por terem bastante miolo, casca fina e serem muito saborosas. O bichado é a principal praga e a bacteriose e antracnose são as doenças mais comuns. A época de apanha acontece geralmente nos meses de Outubro e Novembro. A origem da nogueira está situada nas Montanhas dos Cárpatos, um conjunto montanhoso europeu imponente de 1500 km que atravessa a República Checa, a Eslováquia, a Polónia, a Hungria, a Ucrânia, a Roménia e a Sérvia. Outrora, esta espécie também foi encontrada espontaneamente nos Himalaias e na China. No presente, é cultivada em todas as zonas de clima temperado do mundo. De acordo com dados estatísticos de 2007 da FAO, o organismo das Nações Unidas para a agricultura e alimentação, a China lidera o grupo de países produtores deste fruto seco, seguida pelos Estados Unidos da América, Turquia, Irão, Ucrânia, México, França, Índia, Egipto, Roménia, Sérvia, entre outros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:34


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Novembro 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!