Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A pitanga

por Agricultando, em 18.10.09

Este texto foi publicado no dia 18 de Outubro de 2009, na revista "Mais" do Diário de Notícias. Segundo a obra "Fruticultura Tropical – Espécies com frutos comestíveis" do Professor Engenheiro José Mendes Ferrão, esta planta é oriunda da América tropical, mais propriamente do Brasil. Aí menciona-se que, actualmente está dispersa pelas regiões tropicais e subtropicais de todo o mundo, bem como em zonas temperadas onde as geadas são pouco comuns. Como curiosidade, é referido que foram os portugueses que difundiram a pitangueira no Oriente. Apesar desta espécie ser conhecida desde longa data pelos madeirenses, desconhece-se quando é que foi introduzida na Região. O "Elucidário Madeirense" de 1940 do Pe. Fernando Augusto da Silva e Carlos Azevedo de Meneses, dá conta que esta pequena árvore era muito cultivada no Funchal. Ainda hoje, é frequente verem-se pitangueiras nos quintais das casas, em pés dispersos ou como sebe viva, pois estas além de produzirem frutos, têm uma vertente ornamental muito apreciada, especialmente na rebentação e floração. Na Madeira, encontra as melhores condições de frutificação até aos 280 metros de altitude na costa sul e 100 metros na encosta norte. Tradicionalmente, a pitangueira é propagada por semente, o que origina uma grande diversidade genética, não havendo por isso, uma garantia de ter-se um bom exemplar. Em finais da década de 90 do século passado, a Divisão de Fruticultura da Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, seleccionou as melhores variedades deste fruto no que respeita à qualidade e produtividade, sendo possível adquirir lá, plantas enxertadas de inegável valor. Como consequência deste trabalho e do interesse por parte da indústria agro-alimentar, surgiram alguns pomares desta espécie. Em termos de fitossanidade, a praga mais importante é a mosca da fruta ou "bicho" da fruta, não havendo registo de nenhuma doença que a afecte. A colheita decorre ao longo do ano, apresentando dois picos de produção na Primavera e no Outono. Existem duas variedades de pitanga, a "vermelha" e a "negra", em função da cor dos frutos maduros. Ao paladar, a primeira é ligeiramente mais ácida que a segunda, pelo que esta última é mais adequada para o consumo em fresco. A "vermelha" tem um grande potencial de transformação, obtendo-se derivados deliciosos como o "doce" (compota), gelado, pudim, entre outros. É possível produzir pasta de pitanga com recurso ao descaroçamento, congelando a polpa para utilização posterior, sem perda das suas características excepcionais de aroma, sabor e textura. Embora alguns hotéis e restaurantes já incluam este fruto ou o transformado nas suas ementas, é fundamental que muitos mais o façam, pois trata-se de um produto regional de excelência, que é desconhecido da maioria dos nossos turistas. Este e outros momentos gastronómicos, proporcionam ao visitante experiências e memórias, que não esquecerá e certamente desejará repeti-las.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:37

8.000 visitas!

por Agricultando, em 13.10.09

Na véspera do segundo ano de existência deste blogue, eis que se chega às 8.000 visitas!

É evidente que há cada vez mais internautas a visitar este cantinho dedicado à Agricultura.

A todos, quero agradecer e desejar que este blogue continue a ser do vosso agrado.

Muito obrigado!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:58

O mango

por Agricultando, em 04.10.09

Este texto foi publicado no dia 4 de Outubro de 2009, na revista "Mais" do Diário de Notícias. No livro "A Aventura das Plantas e os Descobrimentos Portugueses" do Professor Engenheiro José Mendes Ferrão, indica-se o Oriente como a região nativa do mangueiro, numa área abrangida pela Índia, Birmânia e Malásia. Na Época dos Descobrimentos e segundo esta publicação, os portugueses levaram esta fruteira da Índia para as costas oriental e ocidental de África e para o Brasil. Cita-se também que a antiga colónia portuguesa de Goa, era considerada uma referência, quanto à diversidade e qualidade de variedades de mango. Ainda hoje em dia, a Índia é o principal produtor, sendo que esta cultura tropical, está distribuída em todo o mundo, em países díspares como o México, Brasil, Venezuela, Espanha, Israel, África do Sul, Paquistão, Filipinas, Austrália, entre outros. Em Portugal, é cultivado no Algarve e na Madeira. Na Região, o mangueiro tem as melhores condições de produção na costa sul, desde o litoral até aos 180 metros de altitude e na vertente norte, nas fajãs mais soalheiras até aos 50 metros de altitude. Existem variedades locais de mango provenientes de semente, normalmente muito saborosas, de tamanho pequeno e com fiapos (regionalismo sinónimo de fibras). Por outro lado, variedades introduzidas, como a "Tommy Atkins", "Osteen", "Rubro Brasil", "Rosa" e "Keitt", não têm fibras ou são escassas, apresentam aroma e sabor muito agradáveis, são sumarentas, têm calibres médio a grande e estão bem adaptadas às nossas condições climatéricas e de solo. Qualquer interessado, que as queira ter no seu pomar ou no seu quintal, pode recorrer à Divisão de Fruticultura da Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural, que presta o serviço de enxertia para esta espécie, no Verão. As pragas mais habituais são a mosca da fruta ou "bicho" da fruta e as cochonilhas e, as doenças mais comuns são o oídio ou "mangra", a antracnose e a bacteriose. Na Madeira, a apanha de mango ocorre de Setembro a Janeiro, consoante a localização geográfica, a altitude, as condições climáticas locais e a variedade. Ao descascar um bom fruto do pedúnculo para o ápice e cortando-o em fatias, é como se comesse um pudim natural, pois a polpa desfaz-se na boca. Pode apreciá-lo igualmente transformado num sumo ou batido fresco, num gelado refrescante, numa tentadora mousse ou a servir de cobertura num irresistível cheesecake. Noutras partes do globo, consome-se o mango verde com sal, pimenta e molho picante ou conservando-o por mais tempo como pickle. É certo e sabido que chegam à nossa terra, mangos importados por barco ou por avião. Porém, quem come um fruto regional de qualidade, apercebe-se de imediato que este é manifestamente melhor. Parte do segredo está na sua maturação, ou seja, é colhido quase maduro. Por isso, amigo leitor, aproveite esta época, compre mangos madeirenses e comprove.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:04


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Outubro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Número de visitas | Desde 14 de Outubro de 2007

80.000 visitas alcançadas a 9.4.2015!